História

por Interlegis — publicado 15/01/2021 00h30, última modificação 24/02/2021 22h16



História de Pedro Leopoldo

 

O município tem sua origem na agropecuária, de cunho relevante, ao lado da atividade industrial representada pela Fábrica de Tecidos Cachoeira Grande, que teve sua construção iniciada em 1981, sob a responsabilidade do Comendador Antônio Alves Ferreira da Silva, fazendeiro e cidadão de apurado senso empreendedor.

A produção têxtil teve início em 1985. Um potencial energético da cachoeira das Três Moças propiciou o surgimento de uma usina hidrelétrica para alimentar a fábrica de tecidos.

Em 17 de julho de 1901, foi criado o distrito com aproximadamente 1000 habitantes, pertencendo ao município de Santa Luzia. Logo depois, recebeu o nome de Pedro Leopoldo, em homenagem ao sergipano, responsável pelo prolongamento da linha da então Estrada de Ferro Central do Brasil.

Em 7 de setembro de 1923, a lei estadual nº 843, determinou a criação do município de Pedro Leopoldo. Sua instalação ocorreu em 27 de janeiro de 1924, tendo, consequentemente, Pedro Leopoldo emancipando-se do Município de Santa Luzia.

O município tem hoje como principal atividade, extração e transformação do calcário (cimento) e outras industrias afins que constituem sólida base de sustentação econômica-financeira. Sua origem agropecuária é mantida, detendo significativa parcela na produção de leite e sua industrialização.

Privilegiada pela natureza, a cidade de Pedro Leopoldo é dotada de raríssimas belezas naturais, com inscrições rupestres milenares de importante representação cientifica, além disso, possui a Igreja Nossa Senhora do Rosário, onde se pode contemplar as obras do mestre Antônio Francisco Lisboa (Rua Aleijadinho).

 

 

Símbolos Municipais de Pedro Leopoldo

 

Brasão


O Brasão de armas de Pedro Leopoldo tem a seguinte descrição: Escudo português clássico, partido cortado, tendo em primeiro campo de blau (azul), à esquerda, na parte superior, uma cabeça bovina; no mesmo campo, à esquerda, e na parte inferior, um livro aberto e à direita uma fábrica. No segundo campo de sinople (verde) ao centro, uma vestimenta do sable (preto) ao centro, projeção das três moças e uma locomotiva. No listel de goles (vermelho) em letras de prata, as legendas: à destra, 17-7-1901 e, à sinastria, 7-9-1923, ladeando ao centro o topônimo de “Pedro Leopoldo”. Como ornamentos exteriores, homenageando o antigo brasão não oficial, mantiveram-se suas convenções e ilustrações. Por timbre, uma coroa mural de cinco torres em prata, característica da soberania de município.

 

Bandeira

 

A bandeira do município fica instituída da seguinte forma: um retângulo em branco com 19 módulos de largura e 13 módulos de altura e o debrum com 0,3 décimos de módulo. A bandeira, em tecido, será executada a partir de um modelo básico, com 45 cm de largura.

 

 

O Patrono da cidade 

 

Dr. Pedro Leopoldo da Silveira nasceu em 2/12/1850 no município de são Cristóvão, estado de Sergipe. Filho do Tenente Coronel Manoel Fernandes da Silveira e de Felismina Aguiar da Silveira, formado pela escola de engenharia do exército. Faleceu em 09 de agosto de 1894, na cidade de Sabará. Naquela época, ele chefiava os trabalhos do prolongamento da estrada de ferro central do brasil para o norte de Minas.

No atestado de óbito, o registro da causa mortis: “Congestão cerebral”. Dr. Pedro Leopoldo foi sepultado no cemitério público de Sabará. Seus restos mortais foram transladados para o cemitério de Pedro Leopoldo em 27/01/1964, quando a cidade completava 40 anos de emancipação politica.

  

 

Hino de Pedro Leopoldo


Pedro Leopoldo ditosa,
"progressista do sertão"
Cidade boa e formosa
de teus filhos és rincão!

Entre matas já frondosas
e colinas bem garbosas
margeando a ferrovia,
tu nasceste mui gentil,
tendo, a porta, a rodovia
mais bonita do Brasil!

Tua origem é singela,
A história nos revela,
grandes vultos de coragem
transformaram a ribeira
numa indústria: tecelagem
com a bela cachoeira!

Pedro Leopoldo ditosa,
"progressista do sertão"
Cidade boa e formosa
de teus filhos és rincão!

Veneramos com carinho
o artista "Aleijadinho"
escultor do belo altar
lá na Quinta, Sumidoro;
onde foram explorar
bandeirantes minas d'ouro!

Com as lindas cachoeiras
e a riqueza das pedreiras
tens progresso e muita vida
e belezas naturais,
cada vez mais conhecida
vais ficando nas "Gerais"! (bis)

Autor: Osvaldo Gonçalo do Carmo – Lei Municipal nº 504/68 de 17/03/1968